sexta-feira, outubro 14, 2005

Perna dura

Esta estória que vos conto é verdade verdadinha! Foi-me contada hoje pelo Fernando dos Grelhados, moço amável e pouco dado a aldrabar.

Na despedida de solteiro do Rui Rodas, proprietário da Zundap mais ruidosa da freguesia, os amigos, vendo que o rapaz não se tinha em pé, levaram-no para o Hospital da Misericórdia. Nunca aguentou bem a bebida, mas a ocasião não se prestava a negas. O Zecas, enfermeiro de serviço, deitou-o numa maca e pô-lo a soro. “Ide agora que ele precisa de dormir”. Quando o Rui acordou deu consigo a olhar para a perna engessada. “Tiveste sorte!” frisou o Zecas, “podias ter ficado sem perna”. Explicou-lhe que o acidente de mota fora grave e que ele estivera em coma.
O rapaz lá se casou e foi com a moça para as Gafanhas; ele nem queria mas o patrão disse-lhe “vai-te, com a perna assim só atrapalhas e tens direito aos dias do casório”. Os dias passaram-se e o Rui voltou à terra. Os amigos, prevenidos pelo vizinho, foram dar-lhe um abraço à chegada. O Zecas que passava mesmo ali abrandou, “Ouve lá, ainda não tiraste o gesso?”, ao que o Rui perguntou, “É para tirar?”. Sem perder a cara o Zecas disse-lhe, “pergunta aí aos teus amigos, eles é que pediram para a engessar!”



Gesso mole em perna dura...